Comédia ‘O Tombo’ debate obsessão pela celebridade instantânea

Dia 12 de março – quinta-feira, às 19hRECANTO 21 – Centro – Quatis – RJ.Entrada Franca.               Lotação limitada.

Contatos: guidodecastro@gmail.com
RECANTO 21 – (24) 9 9903 9774

Anselmo Vasconcelos dirige espetáculo escrito pelo ator Rogério Blat
Elenco: Carla Cristina Cardoso, Surama de Castro e Wagner Trindade (Foto: Divulgação)
Direção: Anselmo Vasconcelos
Patrocínio: Light – Lei de Incentivo à Cultura Governo Estado RJ
Apoio local: PMQ/SecMunCultTur e RECANTO 21
Realização: Su Pro Art – Thiago R. Roderich (coordenador de produção)

teatro quatis

 

Há quase meio século, Andy Warhol profetizou uma tendência contemporânea ao dizer que, um dia, todos teriam direito aos seus 15 minutos de fama. O mentor da pop art, conhecido por pintar produtos norte-americanos icônicos, como latas da sopa Campbell’s e garrafas de Coca-Cola, além de retratos de estrelas como Marilyn Monroe e Elvis Presley, não poderia estar mais certo. Com o advento das tecnologias e a disseminação das redes sociais, se tornou muito fácil virar uma celebridade instantânea. O culto a esse estilo de vida – que preza fama em detrimento ao trabalho – serve como mote para o espetáculo “O Tombo”.

Atento a estas tendências, Rogério Blat escreveu a história de Serena, uma viúva que volta de uma temporada no exterior e decide se tornar famosa a qualquer preço. Frequentadora assídua de festas onde os artistas se reúnem, envolve-se em uma polêmica com jogadores de futebol e ganha destaque na mídia. Com uma forte pegada de Teatro de Revista, a peça promove uma crítica de maneira leve e divertida – sem tentar fazer qualquer julgamento de valor. E cabe ao público decidir o final da história.

A direção do espetáculo fica por conta de Anselmo Vasconcelos, experiente ator que há anos integra o elenco do humorístico “Zorra Total”. Este ano, ele comemora 40 anos de uma premiada carreira dedicada às artes cênicas, especialmente à comédia.

– Dediquei os últimos anos a uma grande pesquisa sobre curso da comédia ao longo do tempo, que resultou no lançamento do livro “Comédia – A Arte da Irreverência”. Tenho colocado isso em prática nos meus espetáculos. Sou um verdadeiro militante da arte teatral. Tenho vontade de deixar o teatro em dia com o público e é isso que norteia minhas escolhas de trabalho – conta o diretor.