Região forma consórcio intermunicipal

A Prefeitura de Quatis, por meio da Secretaria de Trabalho e Renda, participou nessa quinta, dia 5, no Espaço Z, em Resende, da cerimônia de assinatura do protocolo de intenensões do Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda da Região do Vale do Paraíba Fluminense.

municipal quatis

O consórcio é formado  pelos municípios de Porto Real, Resende, Itatiaia e Quatis. O prefeito Bruno de Souza (PR) e prefeitos da região não participaram da cerimônia por causa da agenda com o governador Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro,  para a assinatura do memorando de intenções para construção de mais uma fábrica automobilística na região. O consórcio foi assinado pelos secretários municipais da pasta, Eduardo Linhares (Porto Real), Luis Carlos Kiko Besouchet (Resende), Anderson Luiz dos Santos (Itatiaia) e Heitor Machado (Quatis). Também participaram do ato, o presidente da Câmara de Porto Real, Sérgio Hotz e o presidente da Câmara de Quatis, Celso Pineschi de Sá.  O documento necessita da aprovação das Câmaras de vereadores para ser sancionado pelos prefeitos.

 

Idealizado pelo município de Resende, o PRIQ como está sendo chamado, terá entre as suas principais finalidades, representar os municípios nos assuntos de interesse comum, perante quaisquer outras instituições de direito público ou privado e promover e dinamizar o desenvolvimento de atividades que visem a qualificação e capacitação profissional dos munícipes envolvidos no presente consórcio: “É um avanço muito grande para nossa região.   Estamos em um polo privilegiado, com grandes empresas. É necessário garantir o crescimento econômico regional e, sobretudo, possibilitar aos moradores da região o acesso aos postos de trabalho criados nestas unidades. O PRIQ vislumbra o crescimento mútuo – acredita o secretário de Trabalho e Renda,  Kiko Besouchet.

 

O secretário de Trabalho e Renda, Heitor Machado, disse que o consórcio não está voltado apenas para a demanda das indústrias: “Não é somente o segmento industrial que carece de mão-de-obra qualificada. O comércio e outros segmentos de prestação de serviços também serão beneficiados com essa união dos municípios em torno do interesse coletivo. Eu não sei por que as cidades não pensaram nisso antes, mas o momento é mais do que propício”, afirmou o secretário.